Alguns Mitos sobre o Império que Precisam Ser Repensados

De 2013 para cá, diante da crise de hegemonia instalada, o movimento monarquista voltou a ganhar visibilidade. Apontado como solução para a instabilidade por parcelas conservadoras, o retorno da monarquia voltou a ganhar espaço na cena pública brasileira, mesmo depois da derrota da forma de governo no plebiscito de 1993, quando 86% dos cidadãos optaram por permanecer numa república. A nostalgia por uma monarquia e retorno de rei está sustentado numa idealização do passado imperial, na qual o Brasil oitocentista é apontado como um país desenvolvido, estável politicamente e com um governo livre da corrupção. Portanto, neste texto comentaremos quatro argumentos mobilizados defendendo a construção de governo monárquico e o fim da república.

O primeiro argumento aqui mobilizado é a ideia de que o Império caiu por um golpe de Estado. Se partirmos da definição de Norberto Bobbio de que golpe de Estado são caracterizados como:

mudanças no governo feitas na base da violação da Constituição legal do Estado, normalmente de forma violenta, por parte dos próprios detentores do poder político

Norberto Bobbio – Dicionário de Política

De fato a República brasileira foi instituída, sim, por um Golpe de Estado em 15 de novembro de 1889. Mas o fator principal para a queda da monarquia foram as sucessivas perdas de apoio político ao regime, como a dos militares, após a Crise Militar, e sobretudo a dos cafeicultores, após a Abolição. Não à toa a monarquia caiu 18 meses depois da Lei Áurea. O império caiu de podre.

Em charge publicada pela Revista Illustrada, D. Pedro II é retratado cochilando e imóvel frente aos problemas do país. Diversos autores utilizam essa imagem para representar a franca derrocada do Império Brasileiro no fim do Segundo Reinado.

A retidão do governo e não corrupção é outro fator preconizado. Nada mais idealizado. A figura do Imperador, segundo a Constituição de 1824, não poderia ser responsabilizado por nenhum crime. A Carta previa um imperador inimputável. Casos de corrupção eram comum e frequentemente denunciados pela imprensa. Há, inclusive, indícios da ação de Pedro II para abafar casos de mal feitos, como o do roubo das joias da Coroa em 1882. Historiadores como Lilia Schwarcz advogam a tese que próprio monarca teria agido para impedir a punição do culpado, por razões desconhecidas.

Outro mito é a da estabilidade política ao país. Durante os 67 anos da monarquia brasileira abundam os exemplos de instabilidade política. O Primeiro Reinado foi marcado pelo autoritarismo de Pedro I. Nas Regências, tivemos Regências Trinas e Unas diversas, marcadas com diversas Revoltas populares, debeladas com muita violência. No Segundo Reinado, auge do império, a estabilidade política foi conseguida pela alternância de gabinetes conservadores e liberais, que eram trocados numa média curta de tempo de alguns meses. Diante disso, não podemos alçar a monarquia como símbolo de solidez e estabilidade.

Por fim, os monarquistas argumentam que mantida a monarquia o Brasil seria um país desenvolvido. Os historiadores ao analisar não fazem história contra factual, não pensam como seria se algo acontecesse. Mesmo assim a de se considerar que esse exercício também é muito problemático na medida que no século XIX o Império reiterou o modelo econômico alicerçado na escravidão. Não há evidências que o rumo do país seria diferente caso fosse a monarquia mantida. Pesa em contrário ao argumento dos monarquistas as interpretações de alguns autores que foi no século XIX que se construiu parte fundamental dos problemas que legaram ao Brasil o subdesenvolvimento. Ou seja, poderíamos ainda ter uma monarquia aqui sem que ela ajudasse no desenvolvimento do país.

Nas últimas décadas proliferam pelo mundo movimentos de direita e extrema direita que mobilizam visões idealizadas de um passado para tentar viabilizar a transformação do presente. Diante do que aqui expusemos parece que carece aos monarquistas uma visão “realista” sobre a época imperial brasileira. Por trás de uma nostalgia de um passado glorioso está um projeto de poder e de país que aparenta negar ao Brasil uma maior participação popular e a construção de uma sociedade cidadã e democrática e visa construir um governo que prescinde do povo para a solução de seus problemas.


Referências bibliográficas

  • BOBBIO, Norberto. Dicionário de Política. Brasília: Editora UNB, 1993.
  • SCHWARCZ, Lilia Moritz. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Cia das Letras, 2019.

Visite a Livraria da Musa no link www.bomdelivros.com.br/livraria-musa/

Chave do Pix: cliohistoriaeliteratura@gmail.com

Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Alexandre Athayde, Claudia Bovo, Fabiana Jimenez, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Henrique Mundim, Juliana Santoros, Paula Guisard, Pauline Kisner, Rosana Vecchia, Rosi Marques, Suzana Athayde, Vanessa Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Você também pode nos financiar via PicPay! Se você tem um cashback sobre então porque não apoiar um projeto de comunicação e educação histórica.

Procura a gente lá em https://app.picpay.com/user/cliohistoriaeliteratura

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.