Desvendando uma Fábula Humanista

Uma leitura de “Utopia”, de Thomas More Mapa de Abraham Ortelius datado de cerca de 1545 O que torna um clássico, um clássico, sua imortalidade? A capacidade de se apresentar como pertinente e estruturante perante as gerações sucessoras a ele? Sua capacidade de ser inesgotável às leituras futuras, e passadas? Em suma, todos esses apontamentos…

Qual Valor do Patrimônio Histórico?

Uma pequena reflexão sobre o valor do patrimônio histórico para a sociedade na qual está inserido e o papel ideal a ser desempenhado pelos órgãos de preservação e suas relações com o sistema de educação base e instituições de pesquisa Esse texto vai ser um pouco diferente do tipo geralmente apreciado por aqui, essa terá um…

Uma Metáfora para Literatura Argentina

Resenhando Borges em “El Aleph” “Existe esse Aleph no íntimo de uma pedra? Vi-o quando vi todas as coisas e o esqueci? Nossa mente é porosa para o esquecimento; eu mesmo estou falseando e perdendo, sob a trágica erosão dos anos, os traços de Beatriz.” Jorge Luis Borges, O Aleph Publicado em 1949, no livro homônimo,…

A América Latina e a Questão da Identidade

Breve balanço historiográfico sobre a questão da formação da identidade latino-americana O tema da identidade nacional, e transnacional, sempre foi, e ainda é, caro e de suma importância para a historiografia latino-americana1, principalmente para os países de língua espanhola. Vários nomes da intelectualidade latino-americana, nos mais diversos vários campos do conhecimento, debruçam-se sobre a identidade…

Afinal, Por Que Temos que Continuar a Ler os Clássicos?

Uma pequena defesa da leitura dos grandes clássicos da humanidade Por conta de um freelance de redação, que peguei há algumas semanas, tive que ler um artigo científico sobre liderança e poder, e nesse texto havia uma aproximação entre esses dois conceitos, porém de uma forma positiva, tirando todo o caráter moral do poder exercido,…