Centro Feminino Jovens Idealistas

As Escolas Modernas surgiram inicialmente na Catalunha e foram implantadas no Brasil logo no começo do século XX,  inspiradas nos ideais anarquistas. Sua proposta pedagógica era voltada para a população marginalizada, principalmente os operários. Foram muitas escolas criadas nesse período. Como exemplo, na cidade de São Paulo tinha a Escola Nova, fundada em 1909, situada na Av. Celso Garcia, a Escola Moderna n°1, fundada em maio de 1912, situada na Rua Saldanha Marinho, 66, a Escola Livre, fundada em 1920 pelos Operários em Fábricas de Tecidos de Petrópolis.

Os anarquistas acreditavam (e ainda acreditam) que o pilar para a emancipação é a educação.  A quantidade de associações femininas e feministas multiplicaram na década de 1920 e continham caráter filantrópico, político, sufragista ou profissional. Isso apresentava uma situação nova, na qual mulheres procuravam novos caminhos para superar as condições tradicionais dentro da família, da exploração e assédio dentro das fábricas, passando a transgredir normas e condutas ditadas pela Igreja e pelo Estado. Seguindo essa mesma lógica, o Centro Feminino Jovens Idealistas, outra Escola Moderna importante desse período, estava voltado então para a educação de mulheres operárias, que viviam para os trabalhos domésticos e estavam submetidas às explorações dos trabalhos de produção massiva nas fábricas. Muitas dessas mulheres não sabiam ler e escrever, já que a alfabetização ainda era inacessível para uma grande parcela da população, principalmente à classe operária.

A fundação do Centro Feminino Jovens Idealistas se deu possivelmente em 1913, com base na publicação do jornal A Lanterna, do dia 5 de julho de 1913. E as responsáveis por sua criação foram as irmãs Soares – Maria Angelina Soares, Maria Antônia Soares, Matilde Soares e Pilar Soares – irmãs de Florentino de Carvalho, principal influência delas ao anarquismo. O principal veículo de divulgação do grupo e dos encontros eram através de jornais anarquistas como A Lanterna, A Plebe, Voz do Povo e o Grito Operário.

Própria da ideologia anarquista, a educação é a chave para a emancipação, a libertação das correntes geradas por uma sociedade opressora. Voltada para uma população mais pobre,  o fornecimento dessa educação era gratuita, pois o ideal era a troca e construção do livre pensamento e senso crítico para esse meio social que menos alcançava os estudos. Claramente estavam preocupadas também em conseguir dinheiro para sustentar todas essas ideias, então arrecadavam dinheiro através das conferências e festivais que anunciavam. Além de levantar fundos para essas escolas e bibliotecas, a ideia também era de criar um ambiente descontraído e festivo. Prestavam apoio e se manifestação contra qualquer repressão à classe operária.

Nos jornais haviam inúmeros tipos de declarações, não só denúncias das explorações nas fábricas e as péssimas condições de trabalho, mas da violência policial com esses trabalhadores. Houve um número alto e recorrente de vítimas dessa violência, sendo alguns até assassinados, como no caso do sapateiro José Martinez, que se tornou o estopim para a Greve de 1917. Os jornais anarquistas sempre manifestavam repúdio a essas atrocidades.

Suas reuniões e demais atividades eram sempre realizadas na rua da Moóca, onde os anarquistas atuavam ativamente em suas causas. Neste momento, o Estado de São Paulo ainda possui muitas áreas rurais com predominância de trabalhadores. E o crescimento industrial acelerou o aglomerado da classe trabalhadora nesses locais, ocasionando no avanço urbano. Havia uma clara distinção entre os bairros operários – Barra Funda, Bom Retiro, Água Branca, Moóca – e as regiões de moradia – Higienópolis. Nos bairros operários foram criados os grupos e ligas dos operários para fortalecê-los nos movimentos emancipatórios, com a propagação das ideias socialistas e anarquistas e para as concentrações para manifestações favoráveis a greve. No caso da Mooca, por exemplo, foi criada a Liga Operária da Mooca, e o próprio Centro Feminino Jovens Idealistas dispunham a sua sede neste bairro.

Centro Feminino se enquadravam em um determinado grupo: de mulheres operárias/familiares de operários. Os seus diferentes anúncios comprovam o reconhecimento das divisões desiguais entre homens e mulheres e que elas, unindo forças através da educação, podem chegar na libertação, essa que é abolição de classe e do Estado. Elas reforçam sua identidade, como mulheres anarquistas em prol da classe operária, pela luta do bem estar comum. Como Joan Scott cita Mackinnon “as mulheres são levadas a compreender a sua identidade comum e são levadas para a ação política”

Na imagem: Trecho do jornal “A Lanterna” de julho de 1917

Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Beatriz Gomes, Cristina Lima, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Jéssica Antunes, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Suzana Athayde

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.