A Liga Hanseática | Medievalíssimo Drops

As Cidades Imperiais Livres


Você  também pode ouvir esse drops no miniplayer abaixo e nos apps de podcasts

Para ouvir o episódio basta apertar o play no miniplayer acima

Você também pode ouvir o episódio no Apple Podcasts, Spotify, Google Podcasts, Castbox e no Deezer. Você também pode baixar o episódio usando esse link

Assine: Apple Podcasts | Spotify | Google Podcasts | Castbox | Deezer Android | RSS


Um dos principais historiadores da cidade medieval foi o belga Henri Pirenne, para quem as cidades medievais representariam um movimento antifeudal, anticlerical, o berço da burguesia revolucionária de 1789. O francês Jacques Heers no capítulo IX de seu História Medieval, volume de 1968 que tinha como objetivo revisar o período, nos mostra como essa ideia é equivocada, seja se abordada do ponto de vista político, econômico e social. O movimento comunal nada teve de burguês, nada teve de democrático e nada teve de protorrevolucionário.

Mapa alemão datado de 1886 mostrando a expansão da Liga Hanseática perto do ano 14000

Além dessa visão anacrônica, um outro recorte que se faz sobre o período é o fato de ter existido um “renascimento urbano e comercial” entre os séculos IX e XII. Esse recorte dá uma ideia de que tanto a cidade quanto o comércio deixaram de existir durante um período para ressurgir triunfante logo depois. Além de Heers outro historiador que nos mostra o quão equívoca é essa visão é Georges Duby, principalmente em seu Guerreiros e Camponeses, onde o francês faz uma história econômica do mesmo período e nos mostra que o comércio já estava consolidado e em crescimento no período, porém não havia nunca desaparecido na Europa ocidental.

Se colocarmos todos os renascimentos supostos pelo qual o Ocidente Medieval passou de fato teremos o “rosário de renascimentos” como tão bem apregoou Jacques Le Goff…

Ilustração presente na “Lei Naval Hamburguesa”, mostrando a aliança com Lübeck

Apesar de estar situada cronologicamente na Baixa Idade Média, ou como eu gosto de chamar, no Terceiro Ato Medieval, a Liga Hanseática é um exemplo de como esses interesses urbanos e comerciais ocorriam durante esse período da história europeia. Formada a partir da união estratégica entre Hamburgo e Lübeck, o que viria a ser conhecida como Hansa Teutônica, a Liga Hanseática foi uma união que em seu apogeu teve cerca de 90 cidades associadas praticando uma espécie de livre comércio e aliança militar.

Em Alto Alemão Antigo “hanse” significa bando, tropa, e designava algo como uma caravana de mercadores. Em Médio Baixo Alemão a palavra “hansa” passou a significar associação ou guilda de mercadores.

Além da Hansa Teutônica outra origem para a Liga foi a Hansa da Gotlândia, região ao norte da Alemanha, perto da fronteira com a Dinamarca, que uniu diversas cidades a partir que Henrique, o Leão, fundador de Munique, e duque da Baviera e da Saxônia, ter recapturado a cidade Lübeck, e basicamente refundado a mesma, do conde Adolfo II de Schauenburg e Holstein.

As cidades hanseáticas mantinham sua independência política e administrativa, porém compartilhavam algumas características como o uso do Baixo Alemão Médio como língua franca, as mesmas unidades de pesos e medidas, uma espécie de união alfandegária e livre câmbio. Ser uma cidade hanseática também era ser uma cidade livre imperial, ou em alemão Freie Reichsstadt, ou seja, uma cidade que ganha independência administrativa do imperador porém mantém-se aliada e fiel às águias imperiais. Na prática isso garantia aos comerciantes e às guildas controle da cidade, afastando da urbe a aristocracia rural e feudal. 

As principais rotas de comerciais da Hansa

Durante seu auge, no século XIV, a Liga Hanseática contou com mais de 90 cidades aliadas, indo desde a Vestfália até as cidade bálticas, passando pelo Rus de Kiev e Novgorod, além de estabelecer relações comerciais com os reinos escandinavos, com a Inglaterra, os Países Baixos, a França e o Sacro-Império Romano Germânico.

Retratado do mercador Georg Giesze, de Hans Holbein, considerado um dos marcos da ascenção burguesa do século XVI

A Liga entra em decadência a partir do século XV, principalmente com a crise econômica que assola a Europa. Porém a centralização dos reinos da Prússia, da Polônia e a formação do Império da Suécia se apresentam como obstáculos para o desenvolvimento do espírito independentista da Hansa, que acaba oficialmente em 1862, porém desde o 1669 ela já havia perdido a sua capacidade de congregar e mobilizar cidades pelo norte europeu. É preciso lembrar que o final da Liga Hanseática coincide com o florescimento de uma nova burguesia mercantil, que se aliando aos monarcas irá formatar os chamados estados nacionais modernos.

O espírito hanseático entretanto ainda persiste, algumas cidades alemãs ainda são chamadas “cidade hanseática livre”, como é o caso de Lübeck, Hamburgo, Rostock e Bremen. Hoje há duas organizações políticas que levam o nome de Hansa: em 1982 em Zwolle foi formada a Liga das Cidades a Hansa, uma tentativa de reestabelecer rotas e trocas comerciais fomentar o turismo e as trocas culturais, atualmente conta com 182 cidades da Alemanha, Inglaterra, Rússia, entre outros países. Em 2018 ministros das áreas econômicas de Dinamarca, Estônia, Finlândia, Irlanda, Letônia, Lituânia, Holanda e Suécia assinaram um documento estabelecendo a Nova Liga Hanseática, que estabelece um compartilhamento de visões e valores sobre a arquitetura monetária da zona do euro.

Pintura históricamente correta do veleiro Adler von Lübeck, o maior navio construído pela Liga Hanseática
Hino oficial do FC Hansa Rostock, time da antiga Alemanha Oriental que, por ser ligado ao comércio da região, utiliza o nome da Liga em sua identidade


Contato: medievalissimo@gmail.com

Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Cristina Lima, Elizabeth Santos, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Hannah Lima, Lazaro Coelho, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Suzana Athayde, Vanessa Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Você também pode nos financiar via PicPay. Você pagou aquele boleto, deu cashback e você não vai usar, não vai fazer falta? Então porque não apoiar um projeto de comunicação e educação histórica. Procura a gente lá em https://app.picpay.com/user/cliohistoriaeliteratura

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.