Por Que É Tão Difícil Parar de Ler Dan Brown?

Ou, Qual Seria a Função Social de um Best-Seller?

É com muito pesar, e certa vergonha no andar, admito um esqueleto no armário: eu gosto muito dos livros escritos pelo Dan Brown. Sim, eu sei, ele escreve com uma fórmula literária pronta, mastigada e palatável para simplesmente vender livros e ganhar muito dinheiro, mas muito dinheiro, e com isso vender os direitos de seus livros para o cinema e assim ganhar mais dinheiro ainda, muito mais dinheiro ainda, num círculo quase perpétuo.

Isso sem falar da qualidade em si de suas histórias, que são, no mínimo, previsíveis e um tanto quanto absurdas, mesmo que plausíveis, apelando para um sensacionalismo que mistura num pastiche cultura pop e teorias da conspiração, mas ainda assim não consigo parar de ler qualquer livro que ele escreva, mesmo com vergonha de ler seus livros. Aliás, eu tenho essa sensação com a maioria dos autores de best-sellers: um dos meus autores preferidos é o Ken Follett, cuja literatura é tão rasa quanto um pires, porém suas histórias são muito bem narradas e construídas, o que cativa e desperta afetos no meu olhar como leitor.

No caso de Brown, acredito que uma das bases do sucesso dele é o fato do cherry picking que ele faz durante a sua narrativa ao pegar situações, evidências, instituições, teorias e fatos que são, na sua grande maioria, reais e verossímeis porém em seu conjunto totalmente impossíveis de acontecer, por simples questões de lógica e verossimilhança. Há um outro fator que é preciso ser levado é conta: Brown nunca é honesto com seus leitores, sempre escondendo detalhes dos casos por ele apresentados para nós, seus leitores, quebrando algumas regras clássicas do romance policial. É o velho truque do final “é tudo culpa do mordomo”, ou como eu gosto de chamar: Síndrome do Scooby-Doo.

A tchurma do Scooby-Doo

Se pegarmos a maioria dos livros “ruins” — não gosto de taxar um livro de ruim em tempos onde a palavra escrita está cada vez mais em segundo plano — tem uma qualidade: são incrivelmente fáceis de assimilar, são quase didáticos, e seu sentido mais rasteiro. O mesmo acontece em outras formas de arte, como por exemplo no cinema: se você pegarmos os filmes de maior bilheteria percebe-se que, apesar de algumas histórias fantásticas e até surpreendentes, eles são extremamente simples e assimiláveis. Outro exemplo: as telenovelas, que são o ápice da simplicidade em termos de teledramaturgia. Mais um exemplo: os espetáculos de comédia stand-up, que são simples em amplos aspectos, desde a montagem, cenografia, iluminação e roteiro. Ou seja, até mesmo o Dan Brown apresenta uma função social com a sua leitura: ser uma porta para outras leituras possíveis, despertando uma curiosidade e uma vontade literária.

O que esperar então? Apenas sentar, ler e aceitar.


Eu já fiz um vídeo pro nosso canal sobre o romance Inferno, do Dan Brown, você pode assistir ele aqui embaixo


Na foto capa da revista Time de 12 de Setembro de 1983 ilustrando a interceptação.

Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Cristina Lima, Elizabeth Santos, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Hannah Lima, Lazaro Coelho, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Suzana Athayde, Vanessa Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.