Incursão ao Quartel Moncada | Hoje Na História

26 de Julho de 1953

No dia 26 de Julho de 1953 se inicia o processo da Revolução Cubana. Essa data marca a invasão ao Quartel Moncada, em Santiago de Cuba. A ação foi malfadada e Fidel Castro, que liderava o ataque, foi preso. Após uma campanha por sua libertação e de outros presos, Fidel, Raúl Castro, Camilo Cienfuegos, Juan Almeida Bosque e outros foram para o México em 1955 e acumulam forças. Lá Che Guevara conhece o Movimento e se soma aos revolucionários, que retornam para Cuba em 1956 em um número de 82 guerrilheiros, a bordo do barco Granma de Tuxpan. Ao desembarcarem são emboscados e no final de dois dias restam apenas 12 homens, que se refugiam em Sierra Maestra.

Nos anos 50 Cuba vivia sob uma ditadura, com um governo títere dos EUA liderado por Fulgencio Batista. O país marcado pela colonização espanhola, pela Doutrina Monroe e pelo imperialismo estadunidense, possuía uma massa de camponeses pobres, trabalhando em pequenas glebas ou sendo explorados pelo grande latifúndio. As empresas estadunidenses se instalaram no país e controlavam a política e a economia. A Ditadura Batista foi marcada por forte repressão ao movimento operário, milhares de mortes, desaparecimentos, torturas e uma concentração de riquezas gigantesca nas mãos de uma elite estadunidense ou associada. Havana era conhecida como “Las Vegas Tropical”, o local onde os magnatas e mafiosos gastavam a fortuna expropriada, enquanto as massas cubanas passavam fome.

Os guerrilheiros em Sierra Maestra ganharam adeptos, fizeram acordos com movimentos sindicais e partidos de esquerdas, e a luta de guerrilha do M-26 se somou a uma série de greves e revoltas operárias nas cidades, enquanto o campo também se rebelava e mesmo as forças armadas foram rachadas. O M-26 tomou quartel por quartel, até que em janeiro de 1959 Fulgêncio fugiu para Espanha. De início a Revolução foi orientada por uma linha nacionalista de esquerda, anti-imperialista, mas logo o marxismo-leninismo foi adotado como ciência que orientou a política-econômica de Cuba. O país passou por transformações radicais; Reforma agraria, alfabetização, reforma urbana, e seguiu com um série de conquistas que faz a ilha ser conhecida por seus índices de desenvolvimento humano mais qualificados que os do império capitalista.  Como disse um idiota da mídia comercial “Em Cuba, só três coisas funcionam: segurança, educação e saúde“. O processo da Revolução Cubana segue as portas do império, mesmo com o embargo econômico criminoso. HASTA LA VICTORIA, SIEMPRE!

Na imagem, os rebeldes libertados após sua prisão em função da ação revolucionária. Maio de 1955.


Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Cristina Lima, Elizabeth Santos, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Hannah Lima, Lazaro Coelho, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Suzana Athayde, Vanessa Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Você também pode nos financiar via PicPay. Você pagou aquele boleto, deu cashback e você não vai usar, não vai fazer falta? Então porque não apoiar um projeto de comunicação e educação histórica. Procura a gente lá em https://app.picpay.com/user/cliohistoriaeliteratura

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.