Santa Evita (Tomás Eloy Martínez) | Clio Indica

Envolva-se neste mistério...

Capa da edição brasileira editado pela Cia das Letras.

Escritor, jornalista, ensaísta e roteirista, Tomás Eloy Martínez é um dos autores contemporâneos de maior relevância mundial. Nascido em Tucumam, Argentina em 1934, participou da fundação de jornais no país natal, foi correspondente internacional e teve uma vida acadêmica bastante movimentada. Foi professor emérito da Rutgers University, em Nova Jersey, e diretor do Programa de Estudos da América Latina por mais de uma década desta mesma instituição. Além disso, recebeu vários prêmios ao longo de sua carreira, tornando-se membro da Academia Nacional de Jornalismo no final da vida.

O autor Tomas Eloy Martines

Dotado de uma capacidade impar na composição de suas narrativas, Tomás Eloy Martínez escreveu muitos livros importantes para a literatura, mas dois merecem destaque: Romance de Perón (1985) – relata a vida do caudilho Juan Domingo Perón, por uma ótica que vai muito além do estadista populista – e Santa Evita (1995).

Sabe-se que Eva Perón, nascida Eva Duarte e esposa do General Juan Perón, arrasta multidões apaixonadas até os dias de hoje. Conhecida como a mãe dos pobres, sua figura estabelece no imaginário coletivo contradições que a tornam uma mulher tão amada por uns quanto odiada por outros. As duas facetas – da pecadora Eva e da santíssima Maria – coexistem no imaginário da população argentina. Não se pode negar sua importância histórica e o papel fundamental que desempenhou como símbolo do governo peronista.

Eva Perón em discurso às mulheres argentinas.

Pensando nessa dialogia, o autor constrói a narrativa de seu romance mais aclamado tanto pelo público como pela crítica. Ali quatro narrativas se desenvolvem paralelamente. A primeira conta a vida de Eva Perón a partir do momento de sua morte. Associada a esta o segundo ponto da narrativa, associado ao destino dado ao corpo embalsamado de Evita. O terceiro vértice, está associado aos militares que tentaram destruir o corpo daquela que consideram ter ainda muita influência sobre a população argentina mesmo depois de morta.

O último foco narrativo insere o próprio autor como personagem, conversando diretamente com o leitor, sobre suas dificuldades para ter acesso às “fontes documentais”, criando uma tênue linha entre realidade e ficção. O leitor, dessa forma, é convidado a imergir no mundo de Eva Perón e do processo de criação do mito nacional argentino chamado Santa Evita.

Vale muito a pena ler esta obra instigante de Tomás Eloy Martínez.


FICHA TÉCNICA

Nome: Santa Evita
Autor: Tomás Eloy Martínez
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 344 pp.

Clique aqui para adquirir Santa Evita e ajude o Clio a se manter no ar e produzir ainda mais conteúdo para vocês

Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Cristina Lima, Elizabeth Santos, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Hannah Lima, Lazaro Coelho, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Suzana Athayde, Vanessa Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!


Você também pode nos financiar via PicPay. Você pagou aquele boleto, deu cashback e você não vai usar, não vai fazer falta? Então porque não apoiar um projeto de comunicação e educação histórica. Procura a gente lá em https://app.picpay.com/user/cliohistoriaeliteratura


Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.