Pedagogia da Autonomia (Paulo Freire) | Librorum

Paulo Freire foi um nome importantíssimo na história da educação brasileira. Nascido em Recife, no ano de 1921, o autor ainda é, mesmo depois da sua morte, lembrado e considerado por diversos países que são referência em Educação. Freire é o Patrono da Educação Brasileira, e seus estudos a respeito de uma Educação crítica são reconhecidos e usados em todo o mundo. Sua principal obra é o livro “Pedagogia do Oprimido”, uma das obras mais citadas em trabalhos acadêmicos da área de ciências humanas ao lado de livros como Vigiar e Punir, de Michel Foucault, e O Capital, de Karl Marx.

Apesar de seu livro mais famoso ser Pedagogia do Oprimido, a ideia desse texto é convencer que a melhor obra para se começar a ler Paulo Freire é Pedagogia da Autonomia, livro pelo qual iremos discorrer neste breve texto. Em Pedagogia da Autonomia, Freire sintetiza com competência parte de sua teoria, pensando numa educação crítica, que faça jus a um modelo democrático e chegue a todas as pessoas, ensinando-as a ter um pensamento crítico da realidade material.

O livro tem como subtítulo “Saberes necessários à prática educativa”, o que já nos dá uma ideia do que se trata este que vos fala. Pedagogia da Autonomia foi publicado no ano de 1996, 28 anos depois de Pedagogia do Oprimido, e também o último título publicado pelo autor em vida. Algumas obras foram publicadas postumamente.

“Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. Quem ensina ensina alguma coisa a alguém. É por isso que, do ponto de vista gramatical, o verbo ensinar é um verbo transitivo relativo. Verbo que pede um objeto diretoalguma coisa – e um objeto indireto – a alguém. Do ponto de vista democrático em que me situo, mas também do ponto de vista da radicalidade metafísica em que me coloco e de que decorre minha compreensão do homem e da mulher como seres históricos e inacabados e sobre que se funda a minha inteligência do processo de conhecer, ensinar é algo mais que um verbo transitivo relativo. Ensinar inexiste sem aprender e vice-versa, e foi aprendendo socialmente que, historicamente, mulheres e homens descobriram que era possível ensinar. Foi assim, socialmente aprendendo, que ao longo dos tempos mulheres e homens perceberam que era possível – depois, preciso – trabalhar maneiras, caminhos, métodos de ensinar.” pp. 25-26

O livro é dividido em três grandes capítulos: 1. Prática docente: primeira reflexão; 2. Ensinar não é transferir conhecimento; 3. Ensinar é uma especificidade humana. Em todos se dará uma reflexão quanto ao estudo-aprendizagem, e também retoma algo que é central em sua teoria a respeito do ensino: a educação bancária. Freire nos diz que, ao ensinar,  não devemos apenas passar conteúdos a fim de haver uma acumulação dos mesmos para o estudante. O estudante precisa ter uma visão crítica da situação, precisa entender o que se dá com esses conteúdos para serem esses, e trazer isso à vida deles. Freire também vai nos provar como o ato de ensinar é algo inteiramente humano, e como isso é muito bonito. 

Paulo Freire foi, e ainda é, primordial para a educação brasileira e mundial. E, mesmo em tempos sombrios como os que estamos vivendo, é necessário seguir trabalhando e fazendo o melhor para que tenhamos uma educação emancipatória, sem usar dos alunos apenas como bancos, em que depositamos determinado conteúdo sem análise crítica de suas próprias realidades.

“É impossível, na verdade, a neutralidade da educação. E é impossível não porque professoras e professores ‘baderneiros’ e ‘subversivos’ o determinem. A educação não vira política por causa da decisão deste ou daquele educador. Ela é política. Quem pensa assim, quem afirma que é por obra deste ou daquele educador, mais ativista que outra coisa, que a educação vira política não pode esconder a forma depreciativa como entende a política. Pois é na medida mesma em que a educação é deturpada e diminuída pela ação de ‘baderneiros’ que ela, deixando de ser verdadeira educação, passa a ser política, algo sem valor.” p. 108


Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post
Bruno Machado, Cristina Lima, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Humberto Athayde, Karen Badollatto, Marcelo Kriiger, Natália Castilho, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Rosi Marques, Suzana Athayde

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s