Reign: Anacronismo, Indústria Cultural e Memória

Ou como a representação histórica pode ser esvaziada se não for devidamente instrumentalizada

Quando a mídia de massa, ou no glossário pós-moderno, a indústria cultural, cria algum objeto de consuma ela sempre procura por um público-alvo, uma fatia da audiência em que o seu produto vai ser recebido, aceito, consumido e, preferencialmente, reproduzido. Essa é uma regra normal para filmes, livros, peças, discos, programas de televisão: são produtos falando com um determinado público, uma questão de meio e mensagem, de comunicação e recepção. Esse tipo de formulação não recente, nada mais coerente em arte e cultura buscar se ajustar à sua recepção, entretanto com a massificação dos meios de comunicação e a globalização cultural essa mecânica se acentuou e se agravou ainda mais. Para exemplificar essa mecânica a distribuição de filmes comerciais estadunidenses não há: com a elevação da China como grande consumidor desse tipo de produto, os estúdios passaram a se moldar ao gosto chinês e inserir gradativamente aspectos daquela cultura em seus produtos. Essa dinâmica, infelizmente, acaba por se impor ante a liberdade criativa e a inventividade daqueles envolvidos na concepção e produção de tais obras.

Isto posto cabe a observação de que eu, homem de meia-idade e historiador, definitivamente não sou o público-alvo do objeto a ser criticado por esse pequeno artigo: o seriado televisivo Reign, programa que narra livremente a vida e as aventuras de Mary Stuart, rainha de França e Escócia, além de pretendente ao trono inglês. Reign é claramente um produto direcionado para mulheres adolescentes, a abordagem, tacitamente sexista, idealiza o amor romântico, há um forte apelo à conversas de rabo e pequenas tramoias, uma fetichização da sociedade de cortes, observem como as roupas, festas e comidas são tratadas em sua representação, revelando uma ideia burguesa de como as jovens mulheres são ou deveriam ser.

Feita essa pequena introdução fica claro o meu estranhamento ao acompanhar tal seriado, comecei a assisti-lo por tratar de um assunto muito apreciado por mim: a monarquia inglesa após a Guerra das Duas Rosas. O esse tempo do de trono de Eduardo II é apresentado como um pastiche folhetinesco com eventos históricos pincelados e adaptados livremente para dar algum recheio à uma trama forçosamente romântica, no pior sentido no qual essa palavra pode se apresentar.

Há diversos problemas em Reign, o que mais irrita, de longe, é o mau uso da história e da memória. Não que se possa esperar qualquer tipo de rigor em um produto cultural proposto a ser um folhetim adolescente fantasiando as relações afetivas e políticas na sociedade de cortes do começo da Idade Moderna.

Um dos grande problemas inclusive é justamente não explorar como nas cortes europeias as relações afetivas eram dominadas pelos aspectos políticos, como se sabe o casamento, a suposta materialização da afetividade em forma de instituição, nada mais era do um instrumento de poder, uma ferramenta para alianças serem forjadas e coroas, ou famílias nobres, fossem unificadas. Desde o começo do seriado, desde seus primeiros episódios, Mary Stuart e Francis I aparecem como dois jovens apaixonados vivendo um amor romântico típico da literatura europeia do século XIX.

Para olhos mais atentos com a história das afetividades e das mentalidades chega a ser difícil não segurar o riso e o deboche. Essa representação consegue elevar à enésima potência o conceito de anacronismo, pois desloca a nossa visada sobre o que seria o amor romântico do XIX para meados do XVI.

Aliás se há uma palavra capaz de circunscrever uma definição para Reign é anacronismo. Já tratamos desse conceito em um vídeo no canal, você pode assisti-lo aqui, mas não custa nada relembrar do que se trata tal conceito: anacronismo pode ter dois significados, uma falha de cronologia, ou seja, atribuir uma data para algo de forma errônea; ou tratar de assuntos do passado com olhares que não lhe pertencem. Por exemplo, e aqui vou usar do absurdo para ilustrar melhor esse conceito, você representar Platão segurando um iPhone é tão anacrônico como representar Mary Stuart como uma jovenzinha apaixonada.

Há claramente uma ignorância história por parte dos produtores desse programa televisivo, tanto do aspecto de um não conhecimento factual e estrutural sobre a Europa ocidental do período, como uma opção de simplesmente não se levar em conta esses aspectos. Isso fica claro nas roupas e ornamentos utilizados ao longo dos episódios, reparem atentamente nos vestidos, principalmente aqueles utilizados pelas personagens Greer e Mary Stuart: são claramente designs de agora, do tempo presente, podiam estar desfilando em qualquer passarela de qualquer semana de moda contemporânea. Reparem também nas armas e armaduras envergadas pelos personagens masculinos, principalmente Francis e Bash, que apresentam características de armas e armaduras espanholas do XIII e XIV.

Reign escorre anacronismo, tanto em suas representações materiais como imateriais, e isso é apenas uma lástima, pois o período elizabetano é dos mais ricos em simbolismo, memória e reminiscência que a cultura dita popular poderia se apropriar e divulgar. Essas representações equivocadas servem apenas como afastamento de um público mais maduro e sério para tais produtos. Reign poderia ser perfeitamente uma série aventuresca ou romântica, nada contra esses aspectos e abordagens, desde que respeitasse a quem estão se propondo a retratar, mas seu estofo estaria mais para um thriller político aos moldes de House of Cards, por exemplo. Por´me, como dito acima, definitivamente não sou o público para esse tipo de produto, o que me faz lamentar muito como esse público-alvo vai construir sua imagem e memória sobre Mary Stuart e o período elizabetano.


Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Cristina Lima, Elizabeth Santos, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Hannah Lima, Lazaro Coelho, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Suzana Athayde, Vanessa Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.