O Holocausto Brasileiro

Em 1903, a cidade de Barbacena presenciava a fundação de um novo hospital – o Hospital Colônia de Barbacena. De sua fundação até o fechamento em meados da década de 1980, acredita-se que mais de 60 mil pessoas tenham morrido por conta das péssimas condições e políticas de saúde do hospital psiquiátrico.

Sua capacidade de 200 leitos não impediu que em 1961 chegasse a ter 5.000 “pacientes” internados. As denúncias ao hospício passavam por receber pessoas que não tinham doenças mentais (como indigentes, alcoólatras, mães solteiras, LGBT’s, andarilhos e crianças abandonadas) e compunham mais de 70% dos ocupantes; trabalho escravo; privação de camas e alimentação; tortura; estupro; tráfico de corpos e diversas outras barbáries.

Apesar disso, as denúncias na imprensa ao longo das décadas não surtia efeito nas políticas adotadas no Hospital. Seria apenas em 1979, quando o psiquiatra italiano Franco Basaglia chamou o lugar de “campo de concentração nazista” e com a pressão de médicos psiquiátricos que, finalmente, o local foi fechado. Os poucos residentes que sobreviveram foram transferidos para abrigos, casas de repouso e residências terapêuticas.

O que aconteceu no Hospital Colônia de Barbacena ainda é uma ferida aberta, e mais uma prova de que precisamos conhecer o passado para entender o presente. A Reforma Psiquiátrica brasileira e a luta antimanicomial surgem, justamente, no momento de debate sobre as condições das instituições que abrigavam e, infelizmente, ainda existem e abrigam esses pacientes – com o consentimento do Estado.

Indicações de leitura e documentários:

Em Nome da Razão. Helvécio Ratton, 1979. (documentário)

Exposição Fotográfica Saúde Mental: Novo Cenário, Novas Imagens. Programa De Volta Para Casa. Cartilha de Monitoria. Ministério da Saúde, 2009.

Holocausto brasileiro. Daniela Arbex, 2013.

Holocausto brasileiro. Daniela Arbex, 2016. (documentário)


Visite a Livraria da Musa no link www.bomdelivros.com.br/livraria-musa/

Chave do Pix: cliohistoriaeliteratura@gmail.com

Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Alexandre Athayde, Claudia Bovo, Fabiana Jimenez, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Henrique Mundim, Juliana Santoros, Merlim Malacoski, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Rosi Marques, Suzana Athayde, Tiago Tavares e Silva

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Você também pode nos financiar via PicPay! Se você tem um cashback sobre então porque não apoiar um projeto de comunicação e educação histórica.

Procura a gente lá em https://app.picpay.com/user/cliohistoriaeliteratura

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.