Gatos

Peludinhos medievais!


Você  também pode ouvir esse drops no miniplayer abaixo e nos apps de podcasts

Para ouvir o episódio basta apertar o play no miniplayer acima

Você também pode ouvir o episódio no Apple Podcasts, Spotify, Google Podcasts, Castbox e no Deezer além de demais agregadores de podcasts. Você também pode baixar o episódio clicando aqui

Assine: Apple Podcasts | Spotify | Google Podcasts | Castbox | Deezer Android | RSS


Sobre os gatos, Isidoro de Sevilha, no século 7, escreveu o seguinte em suas Etimologias:

O gato (musio) tem esse nome porque ataca o rato (mus). Alguns dizem que seu nome é cattus, de captura; outros que é cattat (vê) porque vê tão nitidamente que supera a escuridão.

Bartolomeu Angélico escreveu no livro 18 do seu De proprietatibus rerum o seguinte:

Ele é um animal totalmente lascivo na juventude, rápido, flexível e alegre, e salta e se precipita sobre tudo o que está à sua frente; e é conduzido por uma palha e brinca com ela; e é uma besta pesada e pesada em idade e totalmente sonolenta , e astutamente está à espreita de ratos; e sabe onde eles estão mais pelo cheiro do que pela vista, e caça e se precipita sobre eles em lugares privados; e quando ele apanha um rato, brinca com ele, e o come depois da brincadeira. Em tempos de amor luta bravamente pelas esposas, e um arranha e despedaça o outro dolorosamente com mordidas e garras. E ele faz barulho implacável e terrível, quando um se oferece para pelejar com outro; e não é ferido quando é lançado de um alto. E quando ele tem pele clara, ele se orgulha dela e anda veloz; e quando sua pele se queima, então ele mora em casa; e muitas vezes é por sua pele clara, tirada pelo esfolador, é morto e esfolado.

Apesar dessas descrições bem positivas, os gatos durante o período medieval não possuam a melhor das famas: os felinos eram diretamente associados à heresia, ao satanismo e à feitiçaria. Principalmente os gatos negros. No século XIII, por exemplo, eles já não gozavam mais da fama positiva que já haviam tido por conta de uma suposta associação deles com o tratamento de vermes.

British Library, Harley MS 4751, Folio 30v

O gato durante o período medieval foi associado a Satanás principalmente por conta da Igreja medieval querer demonizar os ritos, crenças e valores pagãos. E gatos eram tido como seres superiores em diversas culturas pelo mundo, principalmente na Índia, na China e no Egito antigos.

Por conta dessa associação satânica não era incomum gatos serem torturados e mortos para espantar má sorte, ou para mostrar devoção a Cristo e ainda como parte dos rituais de ailuromancia, ou seja, a pretensa adivinhação do futuro observando determinados comportamentos dos gatos. Por esses motivos esses pequenos felinos eram massacrados por vilas inteiras e condenados pelos papas.

Uma dessas condenações foi perpetrada por Gregório IX na bula Vox in Rama, onde o sumo pontífice denunciava os gatos como seres diabólicos e condenava a ailuromancia. Aliás essa bula levou o inquisidor Conrado de Marburgo a acusar Henrique II, conde de Sayn, de tomar parte de tais rituais. Henrique conseguiu provar sua inocência em um tribunal e Conrado acabou sendo misteriosamente assassinado logo depois…

Apesar da bula não ter circulado muito e por não ter sido muito lida, evidências essas que obtemos pelo contexto da época, a posição da Igreja acabou sendo absorvida pelos populares principalmente através dos sermões dominicais, pelas conversas entre o clero e o rebanho, e através da orientação dos membros mais altos da hierarquia eclesiástica para os de mais baixa posição. Portanto o impacto da Vox in Rama só pode ser sentida indiretamente.

Todavia uma parte da bula nos chama a atenção: o fato de que mulheres, principalmente idosas, são mais sucintas a sofrer acusações de bruxaria por causa de seus gatos, como bem aponta a estudiosa Virginia C. Holmgren no seu Cats in Fact and Folklore, sem tradução para o português.

Miniatura retrando lady Leonor de Montfort

Entre os medievais que possuíam gatos como animais domésticos salta aos olhos o exemplo de lady Leonor de Montfort, princesa de Gales, que possuía gatos para controle da peste e outras doenças, e que sendo poderosa o suficiente para negociar a rendição do Castelo de Dover em 1216 conseguiu escapar de qualquer acusação de feitiçaria, diferentemente de 80% dos acusados de feitiçaria, que eram mulheres, a sua maioria idosas, quase sempre condenadas à morte por afogamento junto de seu gato.

Tanto na Idade Média quanto no tempo presente os gatos sofreram com uma imagem construída baseada na ignorância e no preconceito. Gatos não trazem má sorte, não são sujos, não são interesseiros. Gatos são bichinhos extremamente amáveis, inteligentes e carinhosos, que sempre nos fazem companhia e nos dão amor. Já passou do tempo de tratarmos essas adoráveis criaturas com ódio, medo ou desconfiança.

E o mais importante: se você quiser ter um animal de estimação, como um gato ou um cachorro, por favor, não compre, adote. Há milhares de animais em ONGs e clínicas veterinárias precisando de um lar agora. Quem sabe esse lar não pode ser o seu?

Bodleian Library, MS. Ashmole 1462, Folio 58v

Esse Medievalíssimo Drops é em homenagem a gatinha Elis Valente, que foi resgatada de uma casa em São Paulo, sofreu um acidente e hoje corre o risco de ficar paraplégica e precisa da sua ajuda. Aqui embaixo tem um link da Vakinha que suas tutoras estão arrecadando para poder proteger e acolher a Elis. Se você tem condições, por favor, participe!

Link: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/resgate-gatos-vila-mariana



Contato: medievalissimo@gmail.com

Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Alexandre Athayde, Claudia Bovo, Fabiana Jimenez, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Henrique Mundim, Juliana Santoros, Merlim Malacoski, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Rosi Marques, Suzana Athayde, Tiago Tavares e Silva

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Você também pode nos financiar via PicPay! Se você tem um cashback sobre então porque não apoiar um projeto de comunicação e educação histórica.

Procura a gente lá em https://app.picpay.com/user/cliohistoriaeliteratura

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.