Gilles de Rais | Medievalíssimo Drops

Marechal da França e Ocultista

Dois temas fascinam o público consumidor de cultura pop: serial killers e supostos envolvimentos com o demônio. Nossa personagem desse Drops consegue abraçar esses dois temas…


Você  também pode ouvir esse drops no miniplayer abaixo e nos apps de podcasts

Para ouvir o episódio basta apertar o play no miniplayer acima

Você também pode ouvir o episódio no Apple Podcasts, Spotify, Google Podcasts, Castbox e no Deezer. Você também pode baixar o episódio usando esse link

Assine: Apple Podcasts | Spotify | Google Podcasts | Castbox | Deezer Android | RSS


Gilles de Rais nasceu em setembro de 1405, na região do Anjou oeste da França, que havia se reunificado com a coroa francesa um pouco menos de 70 anos, vindo de uma família nobre. Segundo relatos foi uma criança prodígio, e aos setes era fluente em latim, iluminava manuscritos e dividia sua educação entre o desenvolvimento intelectual e moral com a disciplina militar.

Óleo sobre tela Gilles de Laval, sire de Rais, compagnon de Jeanne d’Arc, Maréchal de France (1404-1440), Éloi Firmin Féron (1835), Château de Versailles, Versailles, França

Ele e o irmão, René de La Suze, entretanto ficam órfãos de pai e mãe e são colocados sobre a tutela do avô materno, Jean de Craon, homem de fama não muito boa, que tentou casar o neto mais velho, então 12 anos de idade, com Jeanne Payel, uma das herdeiras mais ricas da Bretanha. O plano dá com os burros n’água e então tenta casar o neto com Béatrice de Rohan, sobrinha do duque da Bretanha. Mais uma vez falha. Em novembro de 1420 ele aumenta consideravelmente sua fortuna ao casar o neto com Catherine de Thouars da Bretanha, herdeira da La Vendée e de Poitou.

O casamento também favoreceu Gilles, que ascendeu socialmente às custas da fortuna da esposa, algo muito comum tanto durante a Idade Média quanto durante o Antigo Regime entre as classes nobres da sociedade europeia. Gilles passa a ser lord e cavaleiro na Bretanha, no Anjou e no Poitou, e aos 16 anos entra para a carreira militar, participando das negociações pela libertação de João VI, duque da Bretanha, então prisioneiro de guerra. Libertando o duque Gilles entra para as graças da alta nobreza bretã além de receber um generoso pagamento.

Em 1425 ele é admitido na corte do futuro Carlos VII, então herdeiro ao trono, e aprende as maneiras cortês ao estudar o delfim. Entre 1427 e 1435 Rais atua como comandante do exército real francês, onde ganhou fama por sua bravura e tenacidade. Em 1429 ele luta lado a lado com Joana D’Arc, personagem que tem um Drops para chamar de seu, lutando nas campanhas de Joana contra os ingleses e os burgúndios, estando inclusive com ela quando se iniciou o Cerco de Orleans. Em 17 de julho de 1429 é escolhido como um dos portadores da Santa Ampola durante a coroação de Carlos VII e é escolhido como Marechal da França, o máximo posto militar da França.

Em 1434 ele começa a se afastar da vida militar e passa a tenta buscar seu sonho de vida: construir a Capela dos Santos Inocentes, que ele mesmo havia desenhado, e a encenação da extravagante peça Le Mistère du Siège d’Órleans. Com isso passa a gastar toda sua fortuna e quase entra em falência.

É aqui que a vida de Gilles começa a se aproximar do bizarro e do oculto…

Iluminura Le procès de Gilles de Rais, Anônimo (Século 17), Bibliothèque Nationale de France, Paris, França

Quebrado, afastado da corte e sem atingir seus sonhos, Gilles de Rais vira a sua atenção para a alquimia, assunto muito em voga durante o séculos 14 e 15. Logo ele se interessa, alegadamente, pelo satanismo, em uma tentativa de ganhar fortuna sabedoria e poder.

Em setembro de 1440 é preso e levado a julgamento em Nantes, centro político da Bretanha. É julgado por dois tribunais separados: primeiro por um eclesiástico e depois um civil. O primeiro foi presidido pelo bispo de Nantes, Gilles não reconhece o tribunal e se recusa a pleitear as acusações, ameaçado com a excomunhão ele reconhece a autoridade do tribunal e se declara inocente das acusações.

Iluminura Exécution de Gilles de Rais (gibet et bûcher). Armes du président Bouhier, Anônimo (1530c.), Bibliothèque Nationale de France, Paris, França

Ele então é acusado pela Igreja de heresia e feitiçaria, o primeiro caso na história da Inquisição, e pelo duque da Bretanha ele é condenado pelos sequestros e pelos assassinatos de aproximadamente 140 crianças. É bom pontuar que ambas as condenações foram baseadas na confissão de Gilles, obtida por meio de tortura, uma das inúmeras irregularidades no julgamento do nobre do Anjou.

Condenado a morrer pela forca, dizem que ele aceita a condenação e se resigna de seus atos, acaba por ser executado em Nantes no dia 26 de outubro de 1440. A sua resignação e aceitação de pena, tudo supostamente, são considerados pela Inquisição como exemplo de penitência cristã.

Gilles de Rais supostamente inspirou o conto folclórico francês Barbe bleue, o Barba Azul, um homem que seduz, casa e assassina uma série de esposas. A versão mais antiga do conto a chegar aos nossos dias é a de Charles Perrault, publicação datada de 1697. Em inglês, segundo o dicionário Merriam-Webster, existe o verbo bluebearding, que pode ser traduzido como o ato de seduzir e abandonar uma série de mulheres.

Nobre, cavaleiro, militar brilhante, excêntrico, ocultista, assassino de crianças, tantos são os epítetos que podem ser aplicados a Gilles de Rais. Sua história encontra hoje certa notoriedade entre os fãs de serial killers, afinal ele é considerado um dos mais antigos que se tem notícia, assim como entre aqueles que buscam os estudos ocultistas. A sua verdadeira essência porém não saberemos ao certo, pois as nuvens da intolerância e da ganância a encobrem.

Ilustração sem título retirada do livro Old-Times Stories, W. Heath Robinson (1921), Dodd, Mead & Company, Nova York, EUA


Contato: medievalissimo@gmail.com

Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Cristina Lima, Elizabeth Santos, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Hannah Lima, Paula Guisard, Reverson Nascimento, Rosana Vecchia, Suzana Athayde, Vanessa Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Você também pode nos financiar via PicPay. Você pagou aquele boleto, deu cashback e você não vai usar, não vai fazer falta? Então porque não apoiar um projeto de comunicação e educação histórica. Procura a gente lá em https://app.picpay.com/user/cliohistoriaeliteratura

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.