Tapeçaria de Bayeux

A História de um dos Exemplares mais Importantes da Arte Românica

Você também pode ouvir esse drops no miniplayer abaixo e nos apps de podcasts
Para ouvir o episódio basta apertar o play no miniplayer acima

Você também pode ouvir o episódio no Apple Podcasts, Spotify, Google Podcasts, Castbox e no Deezer além de demais agregadores de podcasts. Você também pode baixar o episódio clicando aqui

Assine: Apple Podcasts | Spotify | Google Podcasts | Castbox | Deezer Android | RSS


Objeto dos mais inestimáveis do período medieval, a Tapeçaria de Bayeux representa uma fonte importante, não somente para compreender as técnicas que compunham a arte da fabricação de narrativas por meio da tecelagem, representando um dos maiores exemplos nesse suporte do românico, como também, informa sobre os acontecimentos históricos ali narrados. Ela é considerada uma das maiores tapeçarias sobreviventes do período, medindo quase 70 metros de comprimento.

Batalha de Hastings. Fragmento da Tapeçaria de Bayeux

Interessante saber que, apesar do nome, a Tapeçaria de Bayeux é na verdade um bordado. Isso porque a técnica empregada em sua confecção é a de pontos e contrapontos sobre o linho, ou seja, as imagens e escritas que ali aparecem não foram formadas por meio do entrelaçamento dos fios de lã. Ela é composta por cenas que contam os acontecimentos ocorridos entre os anos de 1064 e 1066. Acompanham as imagens, nomes de pessoas, lugares e explicações em latim, apesar de se perceber a influência da língua anglo-saxã na grafia de algumas palavras.  

Existem várias hipóteses sobre sua origem. A mais provável é de que ela foi encomendada por Odo, bispo de Bayeux, posteriormente conde de Kent e meio-irmão de Guilherme, duque da Normandia. A tapeçaria, confeccionada na Inglaterra por mulheres bordadeiras, serviria para revestir e decorar a futura Catedral de Bayeux, que começaria a ser construída na década de 1070. Na tapeçaria foram trançadas em fios coloridos, a conquista do trono inglês por Guilherme, o Conquistador.

Catedral de Bayeux, Normandia, França.

De maneira sutil, sem desrespeitar a história do rival ao trono, as cenas fornecem ao observador não somente a visão dos fatos ocorridos desde o envio de Harold Godwinson para a Normandia a mando do então monarca Eduardo, o Confessor, até a vitória de Guilherme na batalha de Hastings. Ela fornece um olhar medieval sobre os eventos ocorridos relativos à invasão normanda e de como os medievos compreendiam esses eventos uma vez que, pode-se ali encontrar uma série de imagens muito particulares daquele momento.

Um bom exemplo disso, aparece no momento em que Harold é morto em batalha, marcando definitivamente a vitória do normando, tornando-o o possuidor da coroa inglesa. Na imagem, o rei é atingido no olho por uma flecha. Essa era a simbologia utilizada na época para apontar as pessoas que quebravam a palavra empenhada, voltando-se contra quem jurou lealdade, ou seja, Harold era retratado como traidor. Se ele de fato morreu ou não assim, não se sabe, mas é visível a tentativa de legitimação do governo de Guilherme I por meio da arte.

Em uma sociedade extremamente visual, ou seja, onde a maioria esmagadora da população é analfabeta, o poder das imagens é gigantesco e imprescindível. A tapeçaria de Bayeux encontra-se hoje no museu de mesmo nome, localizado na Normandia, França.

Chegada dos tropas de Guilherme, o Conquistador à Inglaterra, iniciando a invasão normanda. Fragmento da Tapeçaria de Bayeux.

Contato: medievalissimo@gmail.com

  • Texto: Lili Gilli
  • Edição de Áudio: Bruno Rosa
  • Capa: Bruno Rosa

Visite a Livraria da Musa no link www.bomdelivros.com.br/livraria-musa/

Pix: cliohistoriaeliteratura@gmail.com


Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Alexandre Athayde, Claudia Bovo, Fabiana Jimenez, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Henrique Mundim, Juliana Santoros, Paula Guisard, Pauline Kisner, Rosana Vecchia, Rosi Marques, Suzana Athayde, Vanessa Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Você também pode nos financiar via PicPay! Se você tem um cashback sobre então porque não apoiar um projeto de comunicação e educação histórica.

Procura a gente lá em https://app.picpay.com/user/cliohistoriaeliteratura

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.