Comissário Montalbano (Andrea Camilleri) | Clio Indica

Romances policiais são para poucos

Não poucos leitores, pois estes são milhões espalhados pelo mundo. As tramas de resolução de crimes e mistérios exercem grande fascínio sobre os leitores de todo o mundo. Queremos nos antecipar na resolução da trama. Queremos que o criminoso seja castigado. Queremos que tudo seja explicado. Queremos que o caos seja derrotado e a ordem seja restaurada, através da justiça, sempre implacável, sega e soberana. São estes os desejos que nós sequestram nestas tramas.

O problema é que a maioria delas é rasteira, superficial, canhestra, muitas vezes trivial. Trabalham muito mais nossos intestinos, nossa bile, do que nossos neurônios. Sequestram nossas emoções nestas tramas dicotômicas e nos entregam resoluções banais. Isto é o que a  maioria dos autores de romances policiais conseguem entregar. Avisei que romances policiais são para poucos, pois são poucos os autores que conseguem derrotar esta banalidade.

E o policial italiano, o giallo, se destaca com autores de destaque como Leonardo Sciascia, Carlo Lucarelli, e Andrea Camilleri.

Giallo é o nome que os italianos usam para chamar a literatura policial como um todo e como usamos para definir a literatura policial produzida na Itália. A origem do nome é curiosa. Vem da série Il gialli Mondadori (O Mondadori amarelo) , projetado por Lorenzo Montano para a Editora Arnoldo Mondadori  que desde 1929 pública os principais romances policiais do mundo, sempre com suas características capas amarelas.

Andrea Camilleri (1925-2019) era um destes poucos autores que não apenas soube usar os clichês do gênero. Ele os dominava e os superava em tramas que possuíam muitas camadas, muitos matizes, assim como a sua Sicília natal.

A cidade fictícia de Vigàta é um mundo. Presente em boa parte da obra de Camilleri, a cidade tem história, camadas, sabores e cores. É viva e quente. E em seu prosaísmo está o seu encanto. Justamente como o protagonista recorrente dos romances

Salvo Montalbano é um homem de meia idade cheio de manias como tantos outros. Seu humor é associado ao clima do dia. Procrastina a burocracia da delegacia de polícia do qual é o comissário. Vive às turras com seus subordinados e colegas, principalmente com o seu vice-comissário, o solar, sedutor é bom vivant, Mimi Augello. Gosta tanto da boa comida, que odeia conversar enquanto come. Os romances são recheados de boas receitas por ele saboreadas (ele mal sabe cozinhar um ovo) e por suas leituras. Montalbano não é o agente da lei truculento. Tem a sensibilidade de um poeta inspirado na desolação de sua Sicília. E apesar da cólera que lhe é típica, tem uma alma sensível, empática, doce muitas vezes.

Diferente de outras figuras das narrativas policiais, as excentricidades de Montalbano poderiam ser muito bem as nossas. Nos identificamos e o acompanhamos, não como meros espectadores de sua genialidade, como um Watson sempre admirado com o protagonista de seus relatos.

Não. Andamos ao lado de Montalbano. Dividindo suas agruras, frustrações, medos e vitórias. E junto com ele, lemos a Sicília. Mas não o texto épico de sua História, nem uma coletânea de sonetos inspirados em suas paisagens. Lemos a trama policial que evidencia suas fraturas. Junto com Montalbano, descobrimos uma Sicília cheia das contradições inerentes ao ser da humanidade.

Dentre toda a série do comissário Montalbano publicada em português, destaco aqui três. O ladrão de merendas é o terceiro romance da série, publicado em 1996 na Itália e em 2000 no Brasil. Nele, acompanhamos duas investigações. A oficial, sobre o assassinato de um idoso supostamente esfaqueado no elevador de seu prédio. A outra, subterrânea, percorre o submundo e as margens da sociedade de Vigàta, atrás do ladrão do título. Aqui vemos um Montalbano idealista, e querendo descobrir a verdade e com esta descoberta fazer justiça. Vale dizer que nem sempre as duas estão associadas.

Em Guinada na vida, publicado originalmente em 2003 e aqui em 2005, a trama começa com um Montalbano em crise de meia-idade, nadando no mar em frente à sua casa e descobrindo um cadáver boiando na água. A tentativa de levar o cadáver quase o mata. A alusão é clara, se não formos vigilantes, o passado pode tornar-se o peso que nos afoga. A trama nos levará à Mafia. Não a máfia hollywoodiana estereotipada. Uma máfia real, e justamente por isto muito mais assustadora.

E por fim, temos Lua de papel,  originalmente publicado em 2005 com sua versão brasileira de 2007, fala sobre como o método indiciário, dissecado por Carlo Ginzburg em Mitos, emblemas e sinais (1989), pode justamente nos levar ao erro, quando não somos atentos ao todo.

Justamente aí torna-se interessante entender a trama policial sob o espectro da interpretação de Ginzburg no capítulo Sinais do referido livro. O trabalho do detetive assemelha-se ao do historiador na sua necessidade de objetividade na análise das evidências. Assim como o comissário, o historiador coleta dados, constrói uma narrativa dentro de uma temporalidade e assim processa os fatos delimitando as possibilidades que as pistas oferecem.

Ao procurar bons romances policiais, busque os que tratam o leitor como um cúmplice de investigação. Como o auxiliar que não apenas acompanha o investigador, mas que pode investigar junto, chegando à mesma conclusão, e assim consolidando a narrativa, ou chegando à outros resultados, e assim enriquecendo a trama que não necessariamente precisa ser linear, e sim formar uma teia, que nos captura e justamente por isto nos fascina.

Como disse, romances policiais realmente bons são para poucos. Para poucos autores.


Links com desconto na Amazon

  • O LADRÃO DE MERENDAS – clique aqui
  • GUINADA NA VIDA – clique aqui
  • LUA DE PAPEL – clique aqui
  • MITOS, EMBLEMAS E SINAIS – clique aqui

Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Beatriz Aguiar, Cristina Lima, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Paula Guisard, Reverson Nascimento, Rosana Vecchia, Suzana Athayde, Vaness Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!


Você também pode nos financiar via PicPay. Você pagou aquele boleto, deu cashback e você não vai usar, não vai fazer falta? Então porque não apoiar um projeto de comunicação e educação histórica. Procura a gente lá em https://app.picpay.com/user/cliohistoriaeliteratura


Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.