Doramundo | Clio Indica

Você já esteve na Vila de “Cordilheira”? Eu estive. Pelo menos 5 vezes só neste ano. Cordilheira é uma vila completamente diferente de qualquer outra no Brasil. Um pedaço da Inglaterra em terras tupinambás, com suas casas geminadas de madeira, vielas sanitárias, linhas de trem e névoa que hora vem e hora vai, mostrando e resguardando a cidade. Cidade operária, construída para dar suporte e ser o centro de controle de uma operação ferroviária muito peculiar, a descuidada e subida da serra do mar. Cordilheira é o pseudônimo para a vila de Paranapiacaba. Vila construída pela “São Paulo Railway” para ser a moradia dos funcionários que trabalhavam no incrível sistema Funicular, que permitia aos vagões de carga e passageiros, descerem e subirem a inclinação da serra do mar em São Paulo ligando a cidade de Santos, no litoral, a Jundiaí.

Na vila Paranapiacaba fora gravado o filme “Doramundo”, lançado no Rio de Janeiro em 8 de março de 1978. Dirigido por João Batista de Andrade e roteirizado por Vladimir Herzorg, João Silvério Trevisan e Fresnot Alain David. Doramundo, conta a história de um drama policial que ocorre em 1939, na cidade de “Cordilheira”. Corpos começam a aparecem em meio as estradas de ferro da companhia “Railroad” que, por sua vez, querendo evitar que comecem a serem noticiados e tragam prejuízos, envia o delegado Guizzot para resolver o caso. Com ajuda do assessor Flores, Guizzot investigas os operários para descobrir os criminosos e (ALERTA DE SPOILER!) chega a conclusão de se tratar de um caso de traição entre um esposa de operário e de um solteiro  do barracão dos solteiros. Porém, os assassinatos continuam e, para evitar mais atrito entre os Solteiros e as famílias da vila Flores, é providenciada a vinda de três prostitutas para a vila, que são hostilizadas e expulsas pelas mulheres do local. Por fim, o caso é encoberto por um jogo de Futebol que ocorre na vila.

O filme apresenta a rotina dos trabalhadores da ferrovia e faz muitas críticas sociais como, por exemplo, as relações de trabalho, jornadas excessivas, abuso do poder de autoridades e até mesmo fala de tortura, em plena ditadura militar. O filme recebeu censura para menores de 18 anos, porém ganhou vários prêmios, como o de Melhor Filme no festival de Gramado em 1978.

No filme, é retratado também, o funcionamento do sistema funicular de Paranapiacaba que possibilitou o acesso, por ferrovia, do interior de São Paulo ao litoral, assim facilitando e aumentando a escoação do café para o porto de Santos, e de lá para o mundo. Isso tudo possível pela tração feita por cabos que se estendiam ao longo do trecho de serra utilizando 4 patamares, para a troca dos cabos, e de locomotivas especiais chamadas de Locobreques que agarravam os cabos para a subida e descida.

Para mais informações, clique aqui. E, se tiver interesse em assistir o filme, ele está disponível gratuitamente, no youtube. É só clicar aqui.


Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post
Alexandre Athayde, Bruno Machado, Cristina Lima, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Humberto Athayde, Karen Badollatto, Marcelo Kriiger, Natália Castilho, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Rosi Marques, Suzana Athayde

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s