O bairro, a escola, minha vida… história? (Wagner Pinheiro) | Librorum

A leitura que mais me inspirou para atuar como educadora foi a obra de Wagner Pinheiro intitulada O bairro, a escola,minha vida minha… história?  Foram 13 anos de prática no magistério para concretizá-la. Ele atuou com alunos do supletivo (conhecido atualmente como EJA) da quinta e sexta série em 2001, na Escola Municipal de Ensino Fundamental Tenente Aviador Frederico Gustavo dos Santos, na Vila Nova Cachoeirinha. Era aproximadamente 35 alunos entre 14 e 44 anos.

Wagner fez a obra em 2001, e fala sobre a Pedagogia da inclusão, com base na Lei de Diretrizes e Bases (1996) e nos parâmetros curriculares nacionais (1997/1998). Logo na apresentação ele já ressalta sobre a permanência histórica no conflito de pedagogia da inclusão x realidade da exclusão. Teoricamente a pedagogia da inclusão fala sobre prática da cidadania em respeito às diferenças, mas como professor da rede pública do Estado, Wagner entende a real dissonância dessa ideia do que é vivenciado pelos seus alunos, e entende a necessidade disso ser discutido em sala de aula. 

Trabalhar com os problemas em sala de aula no ensino de história são imensuráveis: os temas são mal definidos, indutivos, são difíceis os caminhos traçados pelos professores para alcançar uma solução dos problemas enfrentados diariamente, e o contexto na qual os estudantes estão inseridos são decisivos para encontrar essa solução. Ou seja, levar em conta a vivência de cada estudante e suas particularidades é um ponto crucial para compreendê-los e inseri-los nesse debate. 

Alunos do EJA em sala de aula.

O outro ponto primordial trabalhado por Wagner foi o diálogo. Os estudantes tinham abertura para falar sobre os temas levantados, e as suas percepções foram os fios condutores para as análises e reflexões em conjunto na sala de aula. Um assunto muito abordado foi Ética – Liberdade e Responsabilidade que foi proposta pela Secretaria de Educação na Revista Educação. – O primeiro contato foi registrado nos cadernos e foi baseado no relacionamento de Wagner com os seus alunos ao longo do ano. Fizeram uma síntese do que é esperado do professor e do estudante. E foi concluído em conjunto o seguinte: Do professor é respeito com o ritmo dos alunos, explicações claras, ser bom ouvinte, imparcial e manter  pontualidade. Já dos estudantes eram compromisso com os estudos, caderno organizado, levar material necessário para aula, respeitar os colegas e realizações das tarefas. 

Foi proposto uma reflexão sobre trajetória de vida de cada um deles e uma organização dos acontecimentos em datas. Baseados nisso, realizaram uma discussão em sala de aula e concluíram que memória e história são o olhar do presente para o passado. “Estudaram a história do bairro e da escola  através de fontes que dispunham. O objetivo era explicar a história como conhecimento construído a partir do presente e que, no fazer das sociedades, existe uma íntima relação entre mito e história” p 6. Como apontam as análises dos próprios estudantes, a imposição de uma única versão da história sobre determinadas pessoas as tornaram superestimadas. Wagner trabalhou a relação entre mito e história. Trabalharam com a biografia do Tenente Aviador Frederico GUstavo dos Santos, quem a escola recebeu o nome. Wagner explicou sobre a produção do texto biográfico e dividiram-se em duas turmas. Uma defenderia o ato em nomear a escola com o nome do Tenente, enquanto a outra parte realizaria a crítica. Algumas das conclusões foram registradas.: 

Na aula de história estivemos conversando sobre mito, mito é uma história, uma narrativa, sobre atos heróicos que exagera um pouco e faz uma confusão entre realidade e fantasia – Elimar Ribeiro Santos de Almeida

Espero que a sociedade valorize histórias como a minha, pois são histórias reais e muito importantes para o desenvolvimento do bairro e do país. Que todos possamos ser valorizados igualmente, que possamos ter direito à escola, à escola, ao trabalho, etc. E que possamos ser lembrados pela nossas lutas como pessoas normais e não como mito – América Trintade Santana de Oliveira

 Trabalhar em sala de aula para ter consciência da própria construção da história, e que muitas vezes ela pode ser forjada e imposta de uma só versão a um grupo social, apresentada como a única verdade sobre tal fato. Após um recesso no meio do ano, entraram novos alunos na turma e realizaram uma conversa entre os novos e os antigos alunos para falarem sobre o que aprenderam em história na vida escolar. Os antigos alunos falaram das atividades realizadas aos novos ingressantes. Na fala dos alunos quando comentaram sobre a época da ditadura militar, a sala ficou dividida entre aqueles que acharam o período mais seguro enquanto outros se viram censurados e na miséria. Relacionaram o período com a Segunda Guerra Mundial. Logo no final do ano eles realizaram uma brochura com tudo que haviam estudado ao longo do ano. 

Paulo Freire já considerava a importância do conhecimento prévio do aluno, como denominava “leitura do mundo”. Wagner capta a essência freiriana e entende o processo de aprendizado uma troca, pois assim como educador ele também está nesse mesmo processo de aprendizado com os estudantes. Ouvi-los, compreendê-los, respeitá-los e dar espaço para se expressarem abre caminho para traçarem uma relação mais direta com o que estão estudando. Como professor de História, trabalhar o conceito de mito com a turma foi base significante para compreenderem de qual ponto a História tem sido estudada a tantos anos, e os levaram há uma análise crítica dessa construção histórica mascarada e fazer com que sintam-se agentes históricos.


Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post
Bruno Machado, Cristina Lima, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Humberto Athayde, Karen Badollatto, Marcelo Kriiger, Natália Castilho, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Rosi Marques, Suzana Athayde

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s