As Damas do Século XII (Georges Duby) | Clio Indica

Uma visada sobre o feminino medieval

A historiografia francesa durante o século 20 foi responsável por grandes e importantes mudanças metodológicas para a História. O rol de historiadores que contribuíram para isso é enorme, passando por Marc Bloch e Fernand Braudel, passando por Jacques Le Goff e Georges Duby.

Esse último, dedicou a sua carreira profissional, tanto como professor quanto como pesquisador, a buscar entender o papel das coisas “simples” da vida para a contribuição do processo histórico. Basta lembrar que ele foi o responsável por organizar a coleção História da Vida Privada, lançada no Brasil pela Companhia das Letras (você pode comprar essa coleção com desconto na Amazon clicando aqui).

Duby e Le Goff se debruçaram na Idade Média, muito para tentar derrubar alguns mitos criados tanto pela historiografia romântica quanto positivista do século 19 sobre a formação do estado francês. Essas duas correntes historiográfica, por sinal, moldaram um dos cotejos basais do medievalismo, presente até o presente, o bom e velho duelo entre detratores e apologistas do medievo.

Georges Duby

Em As Damas do Século XII, Duby utiliza de fontes documentais e fonte literária para traçar um painel sobre o papel da mulher na vida das cortes flamengas, francesas e inglesas durante o século 11. O livro, na verdade uma coletânea de três ensaios distintos, traz uma abordagem interessante: o quanto o mundo masculino, representado basicamente pelo alto clero católico e pelo poder militar dos senhores feudais, temia e mistificava o mundo feminino. Os exemplos devassados de Eleonor de Aquitânia, de Isolda e de Heloísa são fascinantes.

Duby nos alerta para a falta das mulheres falarem sobre as mulheres, e como algumas das imagens que estão vivas no imaginário coletivo sobre a época, como o amor cortês, são dedicadas única e exclusivamente para silenciar a mulher e fazê-la aceitar a dominação imposta para as “damas” pelos senhores do poder. Uma abordagem interessante, inclusive, é o fato da memória e da história exclusivamente das mulheres da alta sociedade terem sido preservadas. Por que esse discurso? A quem interessa? Para Duby, tudo isso é traço da formação da sociedade francesa e europeia, ou seja, forjada no coração de uma religiosidade exacerbada e misógina.

Utilizando uma linguagem simples e acessível ao público em geral, As Damas do Século XII agrada tanto ao acadêmico quanto ao curioso, não deixa de apresentar um rigor metodológico, porém ao mesmo tempo é muito bem escrito e, até certo ponto, divertido de se ler.


Nome: As Damas do Século XII
Autor: Georges Duby
Editora: Companhia de Bolso
Páginas: 384 pp.

Clique aqui para adquirir As Damas do Século XII e ajude o Clio a se manter no ar e produzir ainda mais conteúdo para vocês


Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Beatriz Aguiar, Cristina Lima, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Paula Guisard, Reverson Nascimento, Rosana Vecchia, Suzana Athayde, Vaness Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.