Manipular o Passado para Controlar o Futuro

O uso político do revisionismo histórico

O historiador tem como dever, função e propósito olhar sempre para o passado de forma crítica e criteriosa. Já há muito tempo, principalmente pelos avanços teóricos metodológicos e teóricos que aproximaram o historiador de outros cientistas sociais, como o sociólogo, o economista, o crítico literário, antropólogo, entre outros, a história se afastou da busca de uma verdade única, acrítica e totalizante, hodiernamente a ciência histórica está cada vez plural, tanto em suas interpretações dos fatos e tempos históricos quanto das suas conclusões.

Atualmente, historiadores, se debruçando sobre o mesmo objeto de estudo, podem chegar à conclusões muito ímpares e díspares ao final de sua pesquisa. Pegue por exemplo a história colonial da América Portuguesa: existem teorias tão diversas sobre a cultura canavieira que poderíamos levar uma vida de leitura apenas para entender os modelos teóricos propostos.

Uma das maneiras de se olhar criticamente para o passado é revisar suas interpretações, com base na releitura de documentação e uma nova coleta dados já consolidados. É preciso nos lembrarmos: ao fazermos a escrita da história estamos sempre nos colocando em diálogo com uma produção pretérita, por tal motivo é preciso sempre fazer esse exercício de revisão bibliográfica, além de uma revisão hermenêutica das fontes, e quando possível se utilizar de novas formas heurísticas dos corpos documentais postos.

Isso não implica, ou abona tanto o historiador quanto o leigo, em negar fatos históricos postos como alguns adeptos do chamado revisionismo histórico usam como método. O grande problema do revisionismo histórico é semântico, pois podem ocorrer ao menos duas interpretações possíveis: a primeira, mais legítima, que se aplica à revisão da história, da ciência que interpreta os fatos passados do homem e da sociedade que o rodeia; já a segunda, uma farsa intelectual, é um movimento de negação de fatos históricos, principalmente fatos que são muito polêmicos ou que causem comoção midiática, como genocídios, ditaduras, revoluções, guerras e entre outros tantos episódios.

Nesse segundo sentido, por exemplo, há quem diga que a Ditadura Civil-Militar instaurada no Brasil após o Golpe de 1964 não existiu, pelo simples motivo do regime ter cooptado as instituições legais e assim dar um verniz de legalidade para todas as brutalidades e autoritarismos praticados por ele. Ou há quem afirme categoricamente que o Holocausto não existiu, não passando de uma conspiração judaica para justificar a criação do Estado de Israel, entre outras vigarices. O problema não está apenas na negação de fatos históricos comprovados em si, mas sim no uso dessa negação, principalmente com fins populistas, no pior sentido que essa palavra pode conter, e políticos. A negação do Holocausto pela extrema-direita francesa e pelo ex-presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad, tem como objetivo agradar uma parcela de seus eleitorados, principalmente uma parcela mais radicaliza e cooptada ideologicamente através dos meios de comunicação massificados, ou através da pós-verdade e da despolitização.

Aqui no Brasil os atuais conservadores têm se esforçado para minimizar, relativizar ou ainda menosprezar, as conclusões e resultados obtidos pela Comissão da Verdade. E por que mobilizar esse esforço com tanto afinco? Acredito que a expressiva votação alcançada por Jair Bolsonaro, tanto em seus tempos como deputado federal pelo Rio de Janeiro, como no último pleito que o elegeu para o cargo mais alto de nossa frágil república, pode nos dar uma pequena luz dos por quês dessa movimentação. Lembrando que a História é uma das formas de legitimar um motivo atual simplesmente alegando certa naturalidade dele por conta de ter no passado, como os nazistas fizeram ao declarar seu regime racista e genocida herdeiro de Frederico Barbarossa ou de Otto von Bismarck.

Acredito que seja óbvio que a história, a escrita da história, a historiografia e a política estão intimamente ligados, e até indissolúveis em algum nível, o historiador como cientista social tem um óculos que o ajuda a enxergar a realidade e seus objetos de estudo, tal óculos são suas convicções político-ideológicas, ser historiador e fazer a escrita da história sem esses óculos, ou pensar ser possível fazê-la sem os mesmos, é não entender o ofício, sua dinâmica, seu método. Ou seja, é preciso adotar uma atitude cética e crítica em relação ao revisionismo histórico que se apresenta unicamente como negação pura e simples, afinal, mesmo “morta” a história ainda assombra o presente, como um fantasma dos natais passados, principalmente por dar lastro e sentido para o presente, pois o passado carrega esse peso, esse fardo: o de ser um espelho para o presente, seja para o tempo presente se reconhecer ou não, ou seja, mostrando suas continuidades e rupturas. Ao tentar mudar o passado as forças políticas querem na verdade controlar o presente para manter a dominação para o futuro, como bem nos lembra George Orwell em sua monumental obra 1984 (você pode comprar o livro 1984 com desconto na Amazon e ainda ajudar o Clio a se financiar usando esse link)



Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Beatriz Aguiar, Cristina Lima, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Paula Guisard, Reverson Nascimento, Rosana Vecchia, Suzana Athayde, Vaness Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.