O Dia em que a Marvel Reinventou o Homem Aranha

em

Criado em 2011 Miles Morales é um personagem da Marvel, a Casa das Ideias, atualmente ocupando o cargo de Homem-Aranha. Filho de uma mãe latina e um pai afro-americano, Miles ressignifica de diversas formas um dos conceitos mais primordiais do que é ser o Homem-Aranha, a representação do jovem e seus anseios na atual sociedade. 

Seu antecessor, Peter Parker, foi criado em 1962 como a interpretação de Stan Lee do que seria o jovem de sua época. De classe média baixa, esforçado e tímido, Parker sempre foi para muitos a identificação do jovem leitor ao mundo de super heróis, inclusive crescendo com ele ao longo dos anos. A ideia de que o leitor, seja ele quem for, também poderia se tornar um super herói, mesmo tendo problemas financeiros e inseguranças do dia a dia. Dentro desta lógica, Miles traz uma atualização mais do que necessária para o herói, como conflitos em torno da falta de oportunidade, racismo estrutural e a violência periférica, temas completamente invisíveis até pouco tempo, mas que agora podem ter seu devido espaço na cultura pop. 

Do ponto de vista publicitário, a carreira do personagem também não fica para traz. Com apenas 10 anos de criação Miles já foi protagonista de um longa animado (Homem-Aranha no Aranhaverso) e seu próprio jogo (Marvel’s Spider Man: Miles Morales), que inclusive traz a discussão sobre George Floyd e o movimento Black Lives Matter. Inclusive encabeçando uma grande reformulação da Marvel nos quadrinhos em 2015, nomeada como All New – All Diferent. Todos estes pontos trouxeram o personagem para o centro dos holofotes, tanto das discussões sociais em pauta, como na indústria do entretenimento. 

Miles torna-se não apenas uma atualização do conceito de homem aranha, mas um folego necessário para tantas novas discussões que envolvem os jovens nos dias atuais. Nos mostrando inclusive como muitos fãs reproduzem o mesmo discurso racista que nosso herói precisa enfrentar em suas histórias. Miles Morales torna-se o herói que precisamos e merecemos. 


Visite a Livraria da Musa, livraria virtual com a curadoria dos membros do Clio!

Pix: cliohistoriaeliteratura@gmail.com

Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Alexandre Athayde, Claudia Bovo, Fabiana Jimenez, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Henrique Mundim, Juliana Santoros, Paula Guisard, Pauline Kisner, Rosana Vecchia, Rosi Marques, Suzana Athayde, Tiago Tavares e Silva, Vanessa Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Você também pode nos financiar via PicPay! Se você tem um cashback sobre então porque não apoiar um projeto de comunicação e educação histórica.

Procura a gente lá em https://app.picpay.com/user/cliohistoriaeliteratura

Siga o Clio nas Redes Sociais!

2 comentários Adicione o seu

  1. magicamistura disse:

    Oiii, ótimo texto…tomei a liberdade de reblogar em meu blog magicamistura.com ,,espero que não se importe… Gratidão ✨

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.