Incêndio do Reichstag | Hoje na História

27 de Fevereiro de 1933

Em 27 de fevereiro de 1933, há exatos 87 anos, ocorreu o Incêndio no Palácio de Reichstag. O prédio foi incendiado um mês após a nomeação de Hitler para o cargo de Chanceler da Alemanha. Quando a polícia entrou no palácio em ruínas, encontraram o ativista antifascista Marinus van der Lubbe. Logo depois chegaram Göring e Hitler, que ao encontrarem Lubbe declararam que o incêndio tinha sido causado por ele e outros comunistas.
Hitler acabou declarando estado de emergência, afim de tirar proveito da situação. Tal ação fez com que o atual presidente alemão Hindenburg assinasse o Decreto do Incêndio do Reichstag, que suspendia a maioria dos direitos humanos garantidos pela constituição. Segundo a polícia, Lubbe confessou que teria ateado fogo em protesto contra os nazistas (sendo condenado à morte e decapitado em 1934). Com isso, os deputados comunistas foram proibidos de tomar seus assentos no parlamento e os líderes comunistas foram presos. Desta forma, o partido nazista obtiveram 44% dos votos nas eleições de março de 1933 e passaram a ter 52% de cadeiras no parlamento, e o apoio do Partido Popular Nacional Alemão. Para chegar a Lei de Plenos Poderes subornaram demais partidos. E assim, aprovaram a lei, dando a Hitler o poder do Reichstag para governar por decreto e para suspender diversas liberdades civis.
Há relatos não confirmados, que o próprio Partido Nazistas haviam ateado fogo no palácio para culpar os comunistas e poder seguir com seus planos. De qualquer forma, o incêndio do Reichstag foi um pretexto usado, e bem aproveitado pelos nazista para obterem ainda mais poder sobre a Alemanha. O Palácio de Reichstag foi construído em 1884, e era a sede do parlamento alemão. Depois do incêndio não foi usado como parlamento, e durante a Segunda Guerra Mundial ele foi usado para fins de propaganda e para propósitos militares. O prédio foi danificado também por ataques aéreos durante a guerra. Mesmo em ruínas, em 1956 foi decidido que o Reichstag não deveria ser demolido, mas sim restaurado.
No entanto, o prédio só foi reutilizado em 1990 para uma exposição e encontros ocasionais. E apenas em abril 1999 o prédio foi reinaugurado como sedo do parlamento, por conta da transferência do governo alemão para Berlim.


Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Cristina Lima, Elizabeth Santos, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Hannah Lima, Lazaro Coelho, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Suzana Athayde, Vanessa Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.