Calibã e a Bruxa (Silvia Federici) | Librorum

Na resenha de hoje, trago o livro “Calibã e a Bruxa”, da italiana Silvia Federici. A autora é formada em Filosofia pela Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos. Além de sua formação acadêmica, Federici ainda é ativista, professora e escritora.

O livro é baseado em uma análise marxista da situação político-econômica-social do período que contempla a Idade Média até o final da Idade Moderna, falando um pouco ainda da contemporaneidade nas últimas páginas do livro.

O ponto principal de análise da obra é a caça às bruxas na Europa dos séculos XVI-XVIII, porém para chegar no assunto a que veio, a autora, além de nos apresentar diversos conceitos importantíssimos para melhor entendimento da tese, também retoma o período da Idade Média.

O primeiro dos conceitos que a autora nos traz – contido no capítulo 1 – , é o de luta de classes. A luta de classes, diferente do que imaginamos, acontece desde o antigo regime. Além disso, também nos apresenta algumas ideias marxistas e critica a teoria de que a luta de classes só começa a partir da Revolução Industrial e que a mulher, ao estar no âmbito do trabalho doméstico, não tem influência na economia ou nas relações de classe neste período.

Outro conceito importante aqui é o de acumulação primitiva. Todo o segundo capítulo se passa em torno desta ideia. Segundo Marx, a acumulação primitiva é o processo que possibilitou o nascimento do capitalismo.

Marx introduziu o conceito de “acumulação primitiva” no final do tomo I de O capital para descrever a reestruturação social e econômica iniciada pela classe dominante europeia em resposta à crise de acumulação, e para estabelecer, em polêmica com Adam Smith, que: i) o capitalismo não poderia ter se desenvolvido sem uma concentração prévia de capital e trabalho; e que ii) a dissociação entre trabalhadores e meios de produção, e não a abstinência dos ricos, é a fonte da riqueza capitalista. A acumulação primitiva é, então, um conceito útil, já que conecta a “reação feudal” com o desenvolvimento de uma economia capitalista e identifica as condições históricas e lógicas para o desenvolvimento do sistema capitalista, em que “primitiva” (“originária”) indica tanto uma pré-condição para a existência de relações capitalistas como um evento específico do tempo. pp. 117-118

E, novamente, aqui a situação da mulher no trabalho doméstico é excluída da equação. Não há importância. E a autora nos evidencia essa situação durante todo o capítulo.

O terceiro capítulo é curto, mas objetivo. A ideia é falar do corpo. A relação e a domesticação dos corpos. E a necessidade de se domesticar esses corpos. A partir disso, ela traz as teorias de Descartes e Hobbes acerca do corpo e discorre a respeito disso. E esse capítulo é incrível. Talvez tenha sido o mais enriquecedor, pra mim. Segundo Federici:

[…] a primeira máquina desenvolvida pelo capitalismo foi o corpo humano e não uma máquina a vapor, nem tampouco o relógio. p. 268

Silvia Federici em sessão de autógrafos do seu novo livro lançado no Brasil, “Mulheres e caça às bruxas”.

O quarto capítulo é a tese em si, da autora. Neste capítulo, Federici discorre a respeito da caça às bruxas, todo o processo e as motivações para que isso ocorre. Também fala dos processos de julgamento em si, uma parte relativamente curta, mas contundente. Essa parte da história nos foi tomada. Por mais que a caça às bruxas seja um fato, pouco se sabe a respeito desse assunto.

A autora nos prepara para esse quarto capítulo. Todos os conceitos que trabalha nos três primeiros é exatamente para que quando cheguemos na tese propriamente dita, o entendimento seja mais facilitado. Portanto, talvez estes três primeiros capítulos sejam um pouco mais difíceis do que estamos acostumados, mas tenham calma, vale a pena.

O quinto e último é pensando a caça às bruxas na América espanhola. No Novo Mundo. É um capítulo curto, em que a autora tem como objetivo refletir se a caça às bruxas na América influenciou em algo na Europa ou vice-versa. Inclusive, faz essa reflexão dialogando com um historiador chamado Parinetto, que acredita que houve influência da América espanhola na Europa durante o período da caça às bruxas.

A história das mulheres não nos é contada desde a escola. E esse livro consegue preencher essas lacunas, pelo menos no que concerne à história das mulheres nesse período da caça às bruxas. E ao ler o Calibã, foi exatamente essa sensação que eu tive, de revolta, de que parte da nossa história nos foi tirada desde cedo. Inclusive esse sentimento que eu tenho desde que comecei a fazer a faculdade de História. Por isso é tão importante que se pesquise e descubra os diferentes estudos e análises da História. É necessário lembrar de se ter um pensamento crítico a todo momento, não esquecer de questionar tudo que vemos/lemos/ouvimos.

Esse livro é muito bom, e tem uma bibliografia enorme e incrível. Dito isto, não vou deixar indicações de leituras de apoio ou algo do tipo, só vou recomendar que leiam (eu ainda vou ler também), “A tempestade”, do Shakespeare, porque o título do livro é inspirado nessa peça e, além disso tudo, principalmente o quinto capítulo, talvez seja de melhor entendimento com a devida leitura. E, pessoal, as obras do Shakespeare são todas domínio público. Só jogar aí no google que vocês encontram, ok?


Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Cristina Lima, Elizabeth Santos, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Hannah Lima, Lazaro Coelho, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Suzana Athayde, Vanessa Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.