Queda do Muro de Berlim | Hoje Na História

Hoje na História, 9 de novembro de 1989

Em 09 de Novembro de 1989 é derrubado o Muro de Berlim, caía um dos maiores símbolos da Guerra Fria. Após a derrota do Nazifascismo, luta majoritariamente travada pela U.R.S.S, e da vitória dos Aliados na Segunda Guerra Mundial, a Alemanha passa a ser ocupada. Na Conferência de Potsdam em 1945 são colocados os termos de administração do país. Os países imperialistas e a União Soviética dividem a Alemanha em 4 administrações diferentes, as fronteiras dos países anteriormente ocupados pelos nazistas foram estabelecidas e em teoria um processo de desnazificação deveria ser implantado. O Muro de Berlim foi construído posteriormente, em 1961, quando os ânimos da Guerra se acirraram. O intuito do muro era controlar a circulação de espiões, da influência capitalista na RDA, contrabando e outros. A RDA (República Democrática Alemã), satélite da União das Repúblicas Socialistas Soviética, possuía autonomia relativa a Moscou e construiu seus próprios conselhos, com fábricas estatizadas e economia planificada. O processo de desnazificação avançou pela RDA e logo outra moral e costumes vicejavam no país, tornando-se um país com pautas avançadas na questão racial e LGBT, enquanto em nos países capitalistas se aplicava abertamente a “cura gay” e os regimes de segregação racial eram comuns e ornavam as belas democracias do ocidente. As condições de vida dos(as) trabalhadores(as) da RDA rapidamente melhoraram e os índices de desenvolvimento humano cresceram a olhos vistos. Entretanto, no final dos anos 70’ o projeto de contra-revolução nas experiências socialistas, principalmente do Leste Europeu, está em marcha. O imperialismo, as crises no 80 e a burocratização dos Partidos levaram ao caminho da restauração capitalista. Desde 1986 Mikhail Gorbachev implementa sua Perestroika, política de “renovação” que assume formas capitalistas, dando continuidade ao Glasnost, a linha anti stalinista e cheia de desvios de direita. Em 1989 há pressão nas ruas, principalmente para mudanças da política da RDA, mas o fim da economia socialista era um dado em disputa. Após a retirada das lideranças mais importantes do país, o processo fica nas mãos dos países imperialistas e da Alemanha Ocidental, que restaura o capitalismo e assim se avança para o fim da URSS. Não há o que comemorar, os anos 90 são marcados pela ofensiva do Neoliberalismo, pelos ideologismos do “Fim da História”, por taxas de exploração gigantescas contra a classes trabalhadora, pelo desmonte do Estado de Bem estar Social, pela superexploração nos países colonizados. Um dos polos de confronto à sociabilidade mais mortífera do planeta deixa de existir enquanto força material e ideológica.

Na imagem a delegação da Alemanha Oriental desfila na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de 1980, em Moscou

Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post
Bruno Machado, Cristina Lima, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Humberto Athayde, Karen Badollatto, Lucas Pereira, Marcelo Kriiger, Natália Castilho, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Rosi Marques, Suzana Athayde

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s