O Coração das Trevas (Joseph Conrad) | Clio Indica

Uma Jornada ao Coração da Loucura

Ler O Coração das Trevas, do escritor anglo-polonês Joseph Conrad, para quem gosta da boa literatura produzida nos últimos dois séculos, é quase uma obrigação. E por que digo isso? Simples: sua história permanece mais do que atual, pois trata, paralelamente, de dois assuntos: o imperialismo europeu na África e da loucura do poder.

Nessas duas vertentes, nesses paralelos, ainda há muito frescor no clássico de Conrad, como a ganância dos países mais ricos perante a riqueza natural de países mais pobres, aliado a um processo dito civilizatório escamoteado e um discurso econômico, onde é um “dever” dos mais “civilizados” levaram aos “selvagens” o seu modelo de civilização, não respeitando as características dos ditos “selvagens”, como formação e noção de estado, cultura, identificação cultural, entre outras tantas características. Nem levando em conta se o “não-civilizado” quer se tornar “civilizado“.

O escritor anglo-polonês Joseph Conrad

Se nos debruçarmos sob a atual geopolítica mundial, além da África, sempre ela, onde mais podemos perceber isso com clareza? Principalmente, no Oriente Médio. O Ocidente tem enormes dificuldades de entender as instituições, identificações e modelos que ali repousam. Geralmente fazemos generalizações étnicas (árabes, curdos, turcos) e religiosas (muçulmanos, judeus e cristãos) para tratarmos do assunto. Mas o caldo cultural trespassa essas convenções. É um modelo que lhes é único, basta ver a força que grupo como Hamas, Al-Qaeda e o Estado Islâmico possuem na região. O Ocidente tende a achar que o mundo todo sofreu as consequências do Iluminismo e da Revolução Francesa, o que é de uma burrice tremenda.

No livro essa noção é ainda mais arraigada por conta da Companhia de Comércio achar que detém não apenas o direito de explorar um recurso natural (marfim, no caso), como o controle sobre a vida e morte de seus empregados. Os nativos não têm a importância para eles, são apenas massa de trabalho escravo. Essa leitura, mais politizada, é bem interessante, porém gosto mais a leitura que Coppola fez do livro para livremente, e bota livremente nisso, adapta-lo em Apocalypse Now: a leitura sob a chave da loucura que o poder gera.

Marlon Brando, vivendo o Coronel Kurtz, em cena do longa Apocalypse Now!

No livro, Charles Marlow, um marinheiro inglês, é contratado para resgatar Mr. Kurtz, um comerciante de marfim e responsável por um posto avançado de comércio no rio Congo. Marlow se impressiona com Kurtz, pois sua reputação o precede tremendamente. A relação entre Kurtz e Marlow se desdobra na forma da dicotomia sanidade versus insanidade, se bem que esse noção de insanidade se dá mais para o final do livro. Marlow se impressiona com a quantidade de marfim que Kurtz consegue negociar, além do respeito que a Companhia tem por ele.

Kurtz, perdido no meio da selva e com uma capacidade retórica fenomenal, longe das amarras da civilização, domina o posto comercial se fazendo impor como um verdadeiro semideus. Ai reside um dos fatores mais interessantes do livro: quando detemos plenamente o poder e não há como haver um contraponto a isso, o que fazer com o poder? Kurtz, aparado por seus seguidores, se perde em si-mesmo. Aqui há um ponto tanto conservador de Conrad: não há como existir poder sem civilização. Kurtz enlouquece e adoece mas pela falta de um aparato civilizatório do que pelos seus atos.


Ficha Técnica

Nome: O Coração das Trevas
Autor: Joseph Conrad
Editora: Companhia de Bolso
Páginas: 184

Clique aqui para adquirir O Coração das Trevas e ajude o Clio a se manter no ar e produzir ainda mais conteúdo para vocês

Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post
Alexandre Athayde, Bruno Machado, Cristina Lima, Daniela Dias, Fabiana Jimenez, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Hannah Lima, Luiza Athayde, Natália Castilho, Paula Guisard, Rosana Vecchia, Rosi Marques, Suzana Athayde

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.