O Bom e o Mau Governo | Medievalíssimo Drops

Uma visão da História por meio da pintura de Ambrogio Lorenzetti

Você também pode ouvir esse drops no miniplayer abaixo e nos apps de podcasts

Para ouvir o episódio basta apertar o play no miniplayer acima

Você também pode ouvir o episódio no Apple Podcasts, Spotify, Google Podcasts, Castbox e no Deezer além de demais agregadores de podcasts. Você também pode baixar o episódio usando esse link

Assine: Apple Podcasts | Spotify | Google Podcasts | Castbox | Deezer Android | RSS


Para o melhor entendimento da Ciência Histórica, pedagogicamente ela foi dividida em períodos que possuem marcos que indicam seu começo e fim. Seguindo esse conceito, sabemos que a Idade Média foi substituída pela Idade Moderna quando em 1453, ocorreu a queda do Império Romano do Oriente.  Assim, ao pensar na ideia de Renascimento, automaticamente vislumbra-se um momento de grande transformação cultural, científica, filosófica, ou seja, esse representaria uma quebra de paradigma, substituindo valores anteriores por novos. Academicamente, no entanto, fica claro que não existe esse tipo de ruptura. O que existe na verdade, são processos que possuem maior ou menor duração e, portanto, estão intrinsecamente interligados.

A obra de Ambrogio Lorenzetti revela um bom exemplo. Nascido no final do século XIII, foi um pintor italiano que desenvolveu seu trabalho principalmente entre os anos de 1317 e 1348. Apesar de viver cronologicamente no período medieval, ele é considerado um dos grandes artistas trecentistas, ou seja, sua arte é considerada renascentista. Isso se deve à utilização de técnicas que serão amplamente desenvolvidas e divulgadas nos séculos seguintes associadas diretamente ao primeiro movimento artístico da Idade Moderna.

Detalhe da Alegoria do Bom Governo.

Apesar de seus afrescos realmente buscarem a simetria e proporção, o tema de suas pinturas ainda demonstrava uma visão bastante medieval. Uma de suas maiores obras foi a composição realizada nas paredes do Salão dos Nove ou Salão da Paz, situada no Palazzo Pubblico de Siena. Por meio de alegorias, Lorenzetti representa o Bom e o Mau Governo com conceitos bastante medievais, demonstrando que sua mentalidade era de um homem do seu tempo, uma vez que as ideias que ali aparecem, estão associadas ao florescimento e crescente aumento da presença dos burgos nesse mundo medieval.

O afresco apresenta seis cenas, posteriormente intituladas como Alegoria de Bom Governo; Efeitos do Bom Governo na Cidade; e Efeitos do Bom Governo no País; Alegoria de Mau Governo; Efeitos do Mau Governo na Cidade; Efeitos do Mau Governo no País. O conjunto das três primeiras compõe a noção de uma cidade onde as virtudes são soberanas. Administrada pela Justiça conjuntamente com a personificação da Comuna de Siena – representada por um homem com as cores locais, segurando um cetro e um orbe, que simbolizam seu poder temporal – nesse burgo as personificações da Paz, da Fortitude, da Prudência, da Magnanimidade e da Temperança, bem como das Três Virtudes Teologais – Fé, Caridade e Esperança – estão ali personificadas por belas mulheres. Como resultado de tal governo, a zona urbana florece em riqueza, tranquilidade e organização. As pessoas prosperam e são felizes pois também seguem normas de condutadas virtuosas.

Detalhe da Alegoria do Mau Governo

Já na Alegoria do Mau Governo quem administra a cidade é a Tirania que é representada pelo pintor de forma animalesca, com chifres e presas. Ao seu redor estão simbolizados os vícios por meio das figuras que representam a Crueldade, o Engano, a Fraude, a Fúria e a Guerra, enquanto aos seus pés está a Justiça cativa e a sua cabeça vemos a Avareza, o Orgulho e a Vanglória, considerados os principais inimigos da vida humana. Como consequência, o burgo é um lugar decadente, vazio, onde a miséria e o medo reinam. Seus cidadãos não se importam com o bem comum, pois estão tentando sobrevier. Ali, o conflito e a violência estão sempre presentes.     

Podemos ver dessa forma, que apesar de utilizar técnicas inovadoras muito presentes no “Renascimento Artísticos Moderno”, a concepção ideológica da obra ainda estava bastante voltada para uma mentalidade medieval. Isso acontece porque não existem rupturas imediatas. O que há na realidade é uma lenta transformação na mentalidade e no modo de fazer. O novo tem suas bases fixas no antigo e assim, o Renascimento é filho dos conceitos e visões medievais e como tal, traz consigo tanto características inovadoras quanto tradicionais.  

Afresco Salão dos Nove ou Salão da Paz do Palazzo Pubblico, de Siena, Itália.

Contato: medievalissimo@gmail.com

Conheça nossa campanha de financiamento contínuo

Entre em www.catarse.me/clio e conheça a nossa campanha de crowdfunding no Catarse, a partir de R$ 5,00 você já ajuda o Clio a se manter no ar e produzir mais conteúdos para vocês

Financiadores desse post

Cristina Lima, Elizabeth Santos, Gabriel Bastos, Gui Aschar, Hannah Lima, Paula Guisard, Reverson Nascimento, Rosana Vecchia, Suzana Athayde, Vanessa Spinosa

Para todos vocês, nosso muito obrigado!

Você também pode nos financiar via PicPay. Você pagou aquele boleto, deu cashback e você não vai usar, não vai fazer falta? Então porque não apoiar um projeto de comunicação e educação histórica. Procura a gente lá em https://app.picpay.com/user/cliohistoriaeliteratura

Siga o Clio nas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.